EnglishFrenchGermanSpainItalianDutchRussianJapaneseChinese Simplified

 

Mostrar mensagens com a etiqueta VDS. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta VDS. Mostrar todas as mensagens

10 de Novembro de 2011

Quinta da Pedra Escrita - 2010



Região: Douro
Castas: Alvarinho, Rabigato, Verdelho e Viognier
Produtor: VDS
Enólogo: Rui Roboredo Madeira
Tipo: Branco
Ano: 2010
Álcool: 13,0%
  
Nota Introdutória:

Localizada em Freixo de Numão, no Douro Superior, a uma altitude média de 575 m, fica a Quinta da Pedra Escrita. Durante várias gerações pertenceu à família de Rui Roboredo Madeira, em 2007 é adquirida pela VDS, empresa da qual é sócio e enólogo.

Inicialmente plantam 12,5 hectares de castas brancas, Alvarinho, Rabigato, Verdelho e Viognier, por acreditarem que o granito dá origem a vinhos de extrema complexidade e de grande longevidade. Em 2011 preparam  o solo para plantar mais um hectare de Alvarinho e 3,5 hectares de castas tintas. Mais uma aposta, mais um novo e interessante projecto VDS (aqui).

Quinta da Pedra Escrita 2010, desde logo apercebemo-nos do cuidado despendido para com a apresentação deste vinho, não posso deixar de elogiar a preocupação com sua roupagem,  no fundo todos sabemos que a imagem também conta, nem que seja pelo simples facto de nos despertar a atenção para a sua existência.

No meu caso não foi bem assim, até porque não fui eu que dei pela sua existência mas sim ele pela minha, através de um amigo que fez a gentileza de me oferecer umas garrafitas.

Mas como a qualidade de um vinho afere-se na boca, e o meu comprometimento pelas razões acima aduzidas poderia de certa forma influenciar a minha opinião, optei por prová-lo em prova cega, irmanado com outros dois brancos  de bom nível.

Notas de Prova:

Desde logo apercebemo-nos  que estamos perante um vinho interessante e subtilmente desafiador, fresco e altivo, um vinho que apesar de ter fermentado e estagiado em barrica mantêm-se bastante seco e mineral. Em suma, um vinho incapaz de saturar, e pelo que tudo indica poderá vir a ter uma muito boa evolução em garrafa. Uma boa estreia! 

Aspecto amarelo palha com suaves laivos esverdeados, algo límpido e brilhante.

Aroma intenso, onde predominam as notas cítricas combinadas com leves matizes vegetais e uma envolvente e suave mineralidade que lhe confere graça e frescura.

Paladar marcado por uma intensa frescura e mineralidade, onde se destacam boas notas cítricas e algumas notas vegetais que se vêm a combinar com subtilíssimo fumado, conjunto bastante equilibrado e harmonioso, termina fresco e persistente.



Nota Pessoal: 16,5
Preço: €10,80 (Ref.)

28 de Setembro de 2011

Castelo D'Alba Vinhas Velhas - Grande Reserva 2007



Região: Douro
Castas: Tinta Barroca, Tinta Amarela, Tinta Francisca, Tinta Roriz, Touriga Franca, Touriga Nacional e Souzão.
Produtor: VDS.
Enólogo: Rui Roboredo Madeira
Tipo: Tinto
Ano: 2007
Álcool: 14%





Nunca como agora fez tanto sentido realçar a boa relação preço/qualidade de um vinho, cada vez mais temos de nos preocupar na forma como gastamos os nossos euros.

Por aqui na eno-blogosfera vai-se assistindo a uma tímida abordagem a esta nova e constrangida realidade que não deixa espaço para grandes extravagâncias, e que infelizmente vem para durar!

Da minha parte, exceptuando-se algum comedido ataque exaltação, é o que tentarei fazer, entre os demais, dar destaque aos vinhos que realmente valham os euros que pagamos por eles.

Embrenhado neste propósito e nas insistentes solicitações, decidi realizar  a 2ª Edição Lugar de Baco - Promoveu”. À semelhança do que aconteceu na 1ª Edição com o “CARM – Resrv.07”, esta 2ª Edição com o Castelo D’Alba – Vinhas Velhas – Grande Reserva 2007 foi um igualmente um sucesso.
Mais uma vez, o Lugar de Baco, veio a contribuir na prática para que um grupo simpático de amigos e simpatizantes deste blog adquirissem em condições igualmente simpáticas um vinho de grande categoria.

Puramente coincidência, ou não, é o facto do enólogo Rui Roboredo Madeira estar por detrás dos dois vinhos que aqui promovi, coincidência ou não é a belíssima relação preço/qualidade a presentada pelos produtores CARM e VDS.
Não fosse o ano 2007 tão especial e certamente não teríamos este  Castelo D’Alba Vinhas Velhas – Grande Reserva, pelo que me constou, uma aspiração com algum tempo, criar um Grande Reserva.

Proveniente de vinhas com mais de 40 anos, plantadas a uma altitude media de 350 m, em pleno Douro superior, estagiou durante de 18 meses em barricas de carvalho francês novas e usadas. Um verdadeiro e digno representante da sua região, Castelo D’Alba – Vinhas Velhas – Grande Reserva 2007.


Notas de Prova:

Um vinho bem estruturado, boa concentração e complexidade. O resultado do empenho e de uvas provenientes de boas vinhas velhas num ano Vintage.

O facto do estágio de 18 meses, se ter efectuado entre barricas novas e usadas, poderá ter contribuído para a forma correcta com que a madeira se mostra, não comprometendo o bom equilíbrio do conjunto.

Um vinho a beber desde já, no entanto aconselho a que seja decantado, não só pela presença de deposito, como pelo ganho que lhe trará deixando-o arejar(respirar) pelo menos 60 minutos.

Se conseguir resistir, guarde algumas garrafas, este vinho tem potencial para evoluir bastante bem, estamos perante um vinho de grande classe.



Aspecto rubi carregado, praticamente opaco.



Aroma intenso e persistente, onde predominam boas notas   a fruta silvestre, bagas maduras de groselha preta e amora, com um leve toque a violeta, onde matizes vegetais lembram esteva, algum chocolate preto e boas notas a tosta.


Paladar  mantem o belíssimo registo entre a fruta preta e as notas a barrica, algo especiado e onde finos taninos contribuem para a boa estrutura de um conjunto  algo encorpado e atractivo. Termina longo e redondo.




Nota Pessoal: 17,0 (Prova a 23 de Jul.11)
Preço: €9,90 (Ref.)

1 de Outubro de 2009

Castello D'Alba - Reserva 2006



Região : Douro
Castas : Touriga Franca, Touriga Nacional e Tinta Roriz
Produtor : Vinhas do Douro Superior, S.A.
Tipo : Tinto
Ano : 2006
Álcool : 13,5%




Nota Introdutória:

Castello D’Alba – Reserva 2006, a primeira vez que tive a oportunidade de provar este vinho, em 2008, fiquei surpreendido pela positiva tendo em conta a relação preço/qualidade, contudo achei que ainda estaria demasiadamente jovem, pelo que não voltei a pensar mais no assunto. Passado sensivelmente um ano, voltei a deparar-me com ele numa feira de hipermercado, das quais não sou grande aficionado, por variadíssimos razões, acima de tudo pelo facto de nunca encontrarmos os tais vinhos que marcam a diferença, mesmo quando surge algum que eventualmente se destaca, normalmente só o vemos em catálogo, nunca o conseguimos comprar, ou nunca chegaram às prateleiras ou se lá estiveram foram tão poucas as garrafas que nem as chegamos a ver.

No entanto, com algum cuidado, podemos normalmente encontrar para o quotidiano alguns vinhos razoáveis, tendo sempre por base a relação preço/qualidade, como é o caso deste Castello D’Alba - Reserva 2006, que se encontra, neste momento, bastante razoável para o preço a que está a ser comercializado.


Notas de Prova:

Aspecto: Cor Grnat de concentração media.

Aroma: Frutos silvestres, algumas notas florais e alguma madeira.

Paladar: Fruta silvestre, leves notas a baunilha, taninos algo firmes e integrados com fim de boca um pouco persistência.



Nota Pessoal: 15,5 (Prova a 29 de Set.09)
Preço: €4,99 (Ref.)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...