EnglishFrenchGermanSpainItalianDutchRussianJapaneseChinese Simplified

 

quarta-feira, novembro 24, 2010

EVS 2010 - Prova especial (Encruzado)

ENCRUZADO – A Casta e o Vinho
Uma Selecção de João Paulo Martins







Introdução:

Esta foi uma das provas especiais integradas no EVS 2010, na qual João Paulo Martins, aborda a casta Encruzado, a principal casta branca, originária e praticamente exclusiva do Dão.

A prova contou com uma boa plateia de interessados, em que dela também faziam parte, enólogos e produtores, alguns dos quais também responsáveis pelos vinhos analisados durante a prova, o que veio a contribuir para a boa dinâmica que se gerou.

A Casta:

O Encruzado, é sem duvida uma casta bastante enigmática, não existem registos da sua existência fora da região do Dão, e por este facto torna-se extremamente difícil proceder ao seu estudo com base na diversidade genética, pois desde logo está inviabilizada a possibilidade da comparabilidade. Mesmo nos nossos dias, tirando um caso ou outro, muito pouco ou nada se fala da sua saída do Dão.

Esta é realmente a casta branca de referência do Dão, mesmo não sendo a mais plantada é a casta desta região que mais se fala. Com bons níveis de produção e bastante equilíbrio em açúcar e acidez, dá origem a vinhos aromáticos de sabor acentuado e uma longevidade fora do comum, podem conservar-se em garrafa durante muitos anos.

A Prova:

Será importante referir que anteriormente a 2000, não existiam variétais de Encruzado, o que existiam eram vinhos maioritariamente feitos a partir desta casta.


Vinhos em prova:


1 - Encruzado 2010 - (amostra de cuba)

Um vinho 100% Encruzado, proveniente das mesmas vinhas da amostra de barrica.

Aqui o essencial foi verificar , o seu aspecto ainda turvo , os seus aromas primários e o seu equilíbrio, sem que se denota-se uma acidez acutilante como por vezes é característico desta casta.


2 - Encruzado 2010 - (amostra de barrica)

Um vinho de aspecto bastante mais límpido, cujos os aromas se mantinha num registo semelhante ao 1º e em que o equilíbrio aqui também se fazia notar.

Um aspecto curioso é o facto da barrica aqui não se fazer notar , esta situação deveu-se de certa forma ao facto das ditas barricas terem sido inicialmente banhadas com água morna o que contribuiu para que madeira não se propague em demasia ao vinho.


3 - Quinta dos Carvalhais 2009

Um vinho 100% Encruzado, que esteve em cubas durante algum tempo, tendo posteriormente transitado para barricas novas.

Aspecto amarelo palha, límpido. Com excelente acidez, levemente encorpado e elegante, detentor de grande pendor gastronómico.


4 - Condessa de Santar 2009 (Encruzado e Arinto)

Um vinho 50% de Encruzado, 25% de Cerceal e 25% de Arinto, com fermentação em barricas novas de carvalho francês ,onde estagiou 6 meses tendo de seguida sido engarrafado onde permaneceu durante mais algum tempo.

Aspecto bastante mais claro do que o Quinta dos Carvalhais, e aromaticamente bastante mais evidente. Contudo na boca é vinho ligeiramente menos interessante, menos encorpado e com uma acidez mais discreta.


5 - Adega de Penalva 2008

Um vinho 100% Encruzado, proveniente da Adega cooperativa de Penalva do castelo.Vinificado em cubas de inox, com temperatura controlada e final de fermentação em barricas de carvalho francês, onde estagiou durante seis meses.

Aspecto amarelo citrino, aroma muito interessante, fresco com notas a vagem desviando-se ligeiramente dos frutados. Na boca bom equilíbrio, estrutura e elegância.Salienta-se pela sua complexidade e potencial de envelhecimento.


6 - Munda 2007

Um vinho 100% Encruzado, proveniente da Quinta do Mondego, Vinificado em cubas de inox com estágio de oito meses em barricas de 500l.

Aspecto amarelo palha, aroma evoluído com nuances a pólvora. Na boca levemente seco e musculado, um vinho com carácter vincado.


7 - Quinta de Saes - 2006

Um vinho de Álvaro de Castro, 80% Encruzado e 20% Cercial, vinhas velhas, fermentou e estagiou em cubas de inox.

Aspecto amarelo fraco, aroma levemente frutado, na boca bom equilíbrio, a acidez complementa a estrutura gorda com que se apresenta.


8 - Quinta de Saes - 2005

Um vinho de Álvaro de Castro, 80% Encruzado e 20% Cercial, fermentou e estagiou em cubas de inox. Até ai tudo igual, com excepção apenas para o ano de colheita , e o que daí poderá advir.

Aspecto límpido e muito pálido, o que poderá indiciar o quanto irá ainda evoluir. Aroma muito interessante onde sobressaem notas a fruta intensa excelentes notas minerais. Na boca o equilíbrio, a finura e acidez muito correcta pautuam todo um conjunto. Um vinho que de certa forma se afasta da tipicidade da região do Dão.


9 - Quinta dos Roques - 2001

Um vinho proveniente da Quinta dos Roques, totalmente fermentado em barricas novas.

Com este vinho demos um salto, passamos para um vinho "velho" com notas resinosas, pinheiro, rebuçado caramelo …, boa acidez.

Trata-se de um vinho com características que não facilitam a sua harmonização com a comida, aqui o melhor será apostar na sua ligação com um queijo.


10 - Porta dos Cavaleiros - 1985

Proveniente das Caves de S. João, elaborado a partir de Encruzado, Bical …

Um vinho cheio de carácter resinas, bem estruturado com boa acidez e frescura nem parece um vinho com 25 anos.

11 - Centro de Estudos de Nelas branco 1971

Um vinho branco elaborado, de uma forma tradicional, a partir de 30 a 40% de Encruzado, Malvisa fina, Cercial …, com 12,5 º de Álcool.

Estamos perante um vinho evoluído portador de notas resinosas, notas florais muito muito subtis, na boca boa estrutura e uma acidez admirável, que nos indicia, que há uns poucos anos atraz esta acidez provavelmente seria bastante mais acutilante, por outro lado está impressionante, temos vinho para mais umas décadas.

(Rui A. Teixeira)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...