EnglishFrenchGermanSpainItalianDutchRussianJapaneseChinese Simplified

 

22 de agosto de 2012

Quinta da Lixa





Vindos da Quinta da Lixa,  estes foram os vinhos que durante este verão de 2012, desfilaram praticamente por toda a eno-blogosfera portuguesa, a imagem de vinho de verão despretensioso, agradável e de baixo custo, foi claramente o ponto de concórdia.

Um projecto que começa a tomar forma em 1986, com a junção de alguns vinhedos familiares, e que vem em 1992, com a aquisição da Quinta da Lixa a despoletar na constituição de uma empresa com seu nome Quinta da Lixa, Soc. Agr. Lda.

A aposta foi subindo de tom, segui-se a a aquisição da Quinta do Sanguinhedo com mais 22 hectares vinha, e com ela nasce um novo projecto, o enoturismo.

Actualmente contam já com 52 hectares de vinha, onde  essencialmente predominam castas Alvarinho, Trajadura e Loureiro.

Uma correcta visão e posicionamento num nicho de mercado, onde os vinhos têm o propósito de serem leves, frescos, agradáveis e bastante acessíveis, mostra a forma inteligente com que Óscar Meireles apoiado pelo enólogo Carlos Teixeira gere este projecto familiar, mantém toda a vertente produtiva e comercial extremamente bem focada neste propósito e quando assim é os sucessos avizinham-se.

Há um aspecto que é sempre bom relembrar. Os vinhos, mesmos os mais simples podem sempre ser muito bons, dentro das suas categorias, e como tal assim deverão ser entendidos. Os escritos, as opiniões mais coerentes, normalmente têm unicamente um sentido, o que poderá o consumidor esperar de um vinho, tendo em conta o que terá de pagar por ele. 
Por este facto, quando pedem uma opinião sobre que vinho recomendaria, a pergunta é inevitável. Quanto estão dispostos a pagar por ele?   


Quinta da Lixa  - 2011



Região: Vinhos Verdes
Castas: Loureiro, Trajadura e Alvarinho
Tipo: Branco (Verde)
Ano: 2011
Álcool: 11,5%








Notas de Prova:

Um vinho despretensioso, bem feito, leve e fresco, uma agradável companhia de verão. O seu baixo teor alcoólico permite-nos desfrutar mais prolongadamente da sensação de leveza e frescura que estes vinhos têm para nos oferecer.

Uma belíssima companhia para entradas e partos leves, típicos de verão como ele próprio.     

Aspecto citrino de tom levemente pálido e algo brilhanteAroma delicado marcado por notas cítricas e um leve toque tropical. Paladar no essencial confere as sensações aromáticas, afinado e com uma correcta acidez a proporcionar-lhe uma agradável sensação de fina frescura ao longo de toda a prova.  


Nota Pessoal: 15
Preço: €2,99 (Ref.)  





Aroma das Castas - Alvarinho/Trajadura 2011



Região: Vinhos Verdes
Castas: Alvarinho e Trajadura
Tipo: Branco (Verde)
Ano: 2011
Álcool: 12,5%








Notas de Prova:

Um vinho agradável e bem conseguido. Mais um boa consequência da combinação entre as castas Alvarinho e Trajadura, mantendo o registo de vinho de verão, apraz-me dizer venham elas !    

Aspecto amarelo citrino, levemente brilhante Aroma expressivo e persistente, onde para alem das nuances frutadas a pêssego, pêra, descortinam-se leves notas florais a aludir-nos algo citrino, flor de laranjeira tal como a ilustração do rotulo pretende descortinar. Paladar fresco e com alguma vivacidade, provocado por um bom nível de acidez, potenciado pela presença de um leve gás carbónico que se vai manifestando por meio elegantes e abundantes agulhas ao longo de toda a prova, a fruta confere e acaba mesmo por ser dominante, termina fresco e medianamente persistente.



Nota Pessoal: 15,5
Preço: €3,99 (Ref.)  


Pouco Comum - Alvarinho 2011



Região: Minho(Regional Vinhos Verdes)
Castas: Alvarinho
Tipo: Branco (Verde)
Ano: 2011
Álcool: 12,5%








Notas de Prova:

Um Alvarinho "Pouco Comum", no nome? Talvez não só! O vinho está agradá-vel e feito com este propósito. Dado o seu perfil cheio e subtilmente adocicado, poderá funcionar bastante bem, também, como aperitivo. 

Aspecto amarelo citrino, levemente brilhante Aroma agradável impregnado de notas cítricas (lima, limão, tangerina), onde leves notas florais e alguma tropicalidade também marcam presença. Paladar aqui o pendor tende mais para as notas a fruta tropical. Boa estrutura e volume, onde uma correcta acidez e alguma mineralidade permitem a integração do ligeiro açúcar residual que teima em transparecer no seu final de boca levemente prolongado. 

Sem duvida alguma um Alvarinho muito acessível, que irá agradar a muita gente. 

Nota Pessoal: 15,5
Preço: €4,29 (Ref.)  



Terras do Minho - Touriga Nacional 2011 (Rosé)



Região: Vinhos Verdes
Castas: Touriga Nacional
Tipo: Rosé
Ano: 2011
Álcool: 11,0%








Notas de Prova:

Mais um vinho próprio para época estival, um rosado TN com apenas 11% de álcool, Screw-cap à parte, a imagem está bastante apelativa, assim como o seu preço beba-se!      

Aspecto rosado vivoAroma fresco e delicado, onde sobressaem boas notas a fruta vermelha, morangos, groselha ..., com leves sugestões florais. Paladar  igualmente fresco onde as notas a fruta vermelha agora surgem de uma forma mais subtil , permitindo que leves sugestões vegetais se embrenham no conjunto e que através de uma correcta acidez e um leve gás carbónico,  se vislumbre uma sensação dictómica, a levíssima doçura de uma fruta fresca, contracena com um final seco e levemente persistente.

Nota Pessoal: 14,5
Preço: €2,99 (Ref.)


PS. Amostras facultadas pelo produtor  
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...