EnglishFrenchGermanSpainItalianDutchRussianJapaneseChinese Simplified

 

24 de fevereiro de 2011

Invisível - 2009


Região: Alentejo
Castas: Aragonês
Produtor: Ervideira Soc. Agr. Lda.
Enólogo: Nelson Rolo
Tipo: Branco
Ano: 2009
Álcool: 13,0%






Nota Introdutória:

Nem tudo o que parece é! Brancos feitos a partir de castas tintas? Não sei quantos existem em Portugal, pessoalmente, conheço três e já os provei a todos, Marquês dos Vales, Primeira Selecção 2009 (Castelão), Branco de Tintas 2009 (Alfrocheiro e Trincadeira) e este Invisível - 2009 (Aragonês).

Interessantes similaridades, ausência da cor avermelhada dos tintos, originado por um processo de fermentação cujo mosto não tem qualquer contacto com o elemento responsável pela coloração do vinho, a película da uva. Já em prova, encontrei mais algumas características, não exclusivas, mas que de certa forma lhes foram comuns, vinhos algo encorpados e detentores de uma acidez media/baixa, os últimos dois com uma coloração levemente salmão, não pude deixar de registar estas similaridades.

Invisível - 2009 (Aragonês), um Alentejano proveniente da Adega Ervideira, a produzir vinhos desde 1880, com uma área total de 160ha de vinhedos, dos quais 110ha estão localizados na Vidigueira e 50ha em Reguengos. A administração da Ervideira é assegurada pela família Leal da Costa, descendente directa do Conde de Ervideira, sendo Duarte Leal da Costa o seu director executivo.

Um vinho singular, este Invisível – 2009, é de facto o resultado de alguma criatividade e extravagância! Desde logo estamos perante um "moon harvest" como o próprio termo indica, trata-se de um vinho cuja apanha da uva é feita durante a noite, tendo a prensagem das uvas decorrido na própria vinha, o mosto por sua vez foi transportado em camião frigorífico até à adega, onde por gravidade foi sendo depositado na câmara de frio, permanecendo a decantar durante 24h a baixas temperaturas. Seguindo-se a fermentação à temperatura controlada de 12ºC, durante 15 dias.


Notas de Prova:

Um vinho fácil, despretensioso e agradável, que certamente encontrará um vasto leque de apreciadores. Deverá ser bebido já, muito provavelmente aguentar-se-á em forma, apenas, por mais um par de anos.Recomendo que seja servido entre os 7º e 11º graus, à semelhança dos Rosés adequa-se bastante bem a comida asiática, mas pessoalmente com uma açorda de marisco, a sua harmonização é praticamente perfeita.

Aspecto amarelo fraco, praticamente transparente, com ligeiros laivos rosados.

Aroma discreto, onde sobressaem algumas notas florais e fruta branca (melão, pêra, etc.).

Paladar confirmam-se as notas a fruta de polpa branca, com uma acidez pouco evidente em que leves notas adocicadas quase se confundem com um leve açúcar residual, o conjunto algo encorpado está equilibrado e agradável termina suave e levemente persistente.






Nota Pessoal: 15,5 (Prova a 15 de Jan.11)
Preço: €8,50 (Ref.)

15 de fevereiro de 2011

Quinta de S. José - Reserva 2007


Região: Douro
Castas:Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz
Produtor: João Brito e Cunha Lda.
Enólogo: João Brito e Cunha
Tipo: Tinto
Ano: 2007
Álcool: 15%






Nota Introdutória:

Há sensivelmente um ano atrás adquiri umas poucas garrafas deste Quinta de S. José - Reserva 2007, guardei-as na garrafeira, na esperança que o tempo lhe trouxe-se os benefícios que só ele lhe poderia dar. Por muito bom que estivesse, não terei duvidas em afirmar que estará bem melhor agora do que quando as comprei.

Quando aqui apresento um vinho e lhe atribui-o uma nota, faço-o sempre com base naquilo que ele me transmite no momento em que o provo, não entro em campos de futurologia, se por algum motivo achar que o vinho dada a sua juventude não está minimamente equilibrado, poderei  até tecer-lhe  alguns elogios às suas potenciais capacidades evolutivas, mas também inúmeras serão as criticas às politicas comerciais apressadas do seu produtor ou de quem o comercializa.

Já anteriormente, a quando a apresentação de outros dos seus vinhos, publiquei umas poucas notas sobre este projecto e o seu enólogo, (aqui). No entanto, penso que não fiz a justa referência à vertente enoturística da Quinta de S. José, dirigida por Ruy Brito e Cunha (Pai do enólogo), do qual vôs deixo esta imagem.



Não resisti em roubá-la do site da Quinta de S. José , por tão bem ilustrar a paz de espírito que estas paragens têm para oferecer.

As boas referências com que fiquei dos seus colheitas, Quinta de S. José - 2007 e 2008, deixaram-me elevadas expectativas, em relação a este Reserva 2007, o que numa primeira instância também pode ser comprometedor, pois o coeficiente de exigência também se torna bastante elevado. Todavia penso ter conseguido, abstrair-me o suficiente para o analisar com toda isenção.


Notas de Prova:

Interessante, capaz de nos oferecer sensações distintas, balanceia entre a elegância e a robustez , o doce da fruta e a pimenta, enfim, um conjunto de sensações que acabam por marcar a complexidade deste blend.

Para mim estamos perante um vinho com excelente pendor gastronómico, possibilitará inúmeras harmonizações agradáveis e requintadas o que o torna desde já uma boa companhia para a mesa ou para a cave onde poderá permanecer por mais uns bons anos.

Aspecto rubi carregado, praticamente opaco e algo viscoso.

Aroma intenso e persistente, com boas notas a fruta preta, chocolate, ponteado por leves notas florais(violeta), alguma tosta, tabaco e um leve toque especiado, mostrando alguma complexidade.

Paladar transmite-nos de imediato a sensação a fruta preta doce, com leves notas florais , algo especiado evidenciando um agradável apimentado, a tosta e a barrica mostram-se educadamente ao longo de toda prova, bastante equilibrado onde domesticados taninos contribuem para um estilo afinado e sem arestas, encorpado quanto basta, terminando longo e persistente.

Nota Pessoal: 17 (Prova a 14 de Jan.11)
Preço: €21,0 (Ref.)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...