EnglishFrenchGermanSpainItalianDutchRussianJapaneseChinese Simplified

 

30 de dezembro de 2010

Tributo - 2008


Região: Ribatejo
Castas: Syrah (85%), Grenache (12%) e Viognier (3%).
Enólogo: Rui Reguinga
Tipo: Tinto
Ano: 2008
Álcool: 14,0%






Nota Introdutória:

Curiosidade, foi o que me fez despoletar a atenção quando me cruzei com este vinho numa prateleira sei lá de onde. O que é facto é que trouxe comigo duas garrafas, pois pouco sabia a seu respeito, para além de ser mais uma obra de Rui Reguinga, e ser fruto da ousadia da plantação destas castas em pleno Ribatejo.

Para mim o essencial era vir a constatar que resultado fora este? Será que tínhamos um vinho há Cotes de Rhône? Que efeito produzira o terroir desta região? Que vinho afinal era este?

Foi então que me fui inteirar um pouco mais da sua história, a começar pelo próprio nome Tributo, tributo a quem? Ao homem que na pequena vinha da Charneca de Almeirim, de solo arenoso e de calhau rolado, teve um papel fundamental. Não fosse toda a sua vida um homem de vinhos, um vitivinicultor, seu pai.
Por este facto fácil é compreender o significado que este vinho possa ter para o enólogo Rui Reguinga.

Com um estágio de 12 meses em barricas de Carvalho Francês Allier, e 6 meses em garrafa até à data de entrada no mercado, foram produzidas somente 2000 garrafas deste Tributo 2008, tendo o mesmo sido premiado na sua categoria com o ‘Trophy’, galardão de nível mais elevado atribuído em Londres pelo mais mediático concurso de vinhos do mundo, o International Wine Challenge. Haver vamos o que penso eu disto! Aqui, parar o bem e para o mal, quem avalia sou eu!


Notas de Prova:

Um vinho cuja o pendor frutado e amadeirado, denuncia um estilo moderno. O vigor e a elegância assumem aqui uma excelente cumplicidade . Um vinho persuasivo , que correspondeu inteiramente às minhas expectativas.

Aspecto rubi escuro de bordo levemente púrpura, algo concentrado e profundo.

Aroma intenso a frutos vermelhos maduros, ponteado por leves notas vegetais e balsâmicas às quais se juntam uma barrica evidente mas muito bem integrada.

Paladar elegantemente pujante e volumoso, algo complexo e especiado, a conferir as boas notas a fruta vermelha madura e uma madeira bem integrada, com taninos sedosos, terminando longo e intenso.






Nota Pessoal: 17 (Prova a 12 de Dez.10)
Preço: €15,0 (Ref.)

15 de dezembro de 2010

La Rosa - Reserva 2007




Região: Douro
Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca e Tinta Roriz
Produtor: Quinta da Rosa, Sa
Enólogo: Jorge Moreira
Tipo: Tinto
Ano: 2007
Álcool: 15,0%






Nota Introdutória:

Este é mais um daqueles projectos pelo qual nutro uma especial simpatia, como já aqui me referi, à alguns meses atrás desloquei-me até esta quinta com o propósito de conhecer pessoalmente este projecto e esta Quinta de La Rosa propriedade da família Bergqvist há 100 anos.

Vale a pena conhecer um pouco da história desta casa e desta família inglesa que em 1715 se instala em Portugal e se dedica à produção e comercialização do vinho do porto. Foram também dos primeiros produtores da região do Douro a dedicarem-se à produção de vinhos tranquilos.

Actualmente, nesta quinta situada no Cimo Corgo, na margem direita do rio Douro, sob a direcção de Shophia e Tim Bergqvist e com a enologia a cargo de Jorge Moreira, produz-se entre outros este soberbo La Rosa (Reserva).


Já aqui apresentei o La Rosa Reserva 2005, um vinho que muitíssimo me agradou, consequentemente o responsável pela apresentação desta colheita o Reserva de 2007.


Notas de Prova:

Um vinho que se encontra soberbo, detentor de uma correcção impressionante, excelente representante da verdadeira classe e elegância de um vinho do Douro.

Aspecto grenat profundo e boa viscosidade.

Aroma vegetal e fresco, com boas notas fruta e chocolate negro, subtilmente especiado, intenso e persistente.

Paladar potente e elegante, com excelente equilíbrio e amplitude, confere as boas notas a fruta preta e chocolate, fresco, seco e vegetal ao longo de toda a prova, terminando longo e persistente.





Nota Pessoal: 17,5 (Prova a 12 de Nov.10)
Preço: €28,0 (Ref.)

14 de dezembro de 2010

Passagem - Reserva 2007




Região: Douro
Castas: Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz
Produtor: Quinta das Bandeiras Vinhos Unipessoal, Lda
Enólogo: Jorge Moreira
Tipo: Tinto
Ano: 2007
Álcool: 14,0%





Nota Introdutória:

Este vinho provem do Douro Superior mais propriamente da Quinta das Bandeiras, é o resultado de um projecto entre a família Bergqvist (La Rosa) e o enólogo Jorge Moreira.

Em Abril passado a quando da minha visita à Quinta de La Rosa, e enquanto conversa com Sophia Bergqvist e provava o Passagem 2006, fiquei a saber que o próximo Passagem para além de sair com a designação de "Reserva", sairia com um novo rótulo. O rótulo adoptado até então, que representava a ligação entre as famílias Bergqvist (inglesa) e Moreira (Portuguesa) não tinha sido muito bem acolhido pela ala inglesa, tendo em conta que Inglaterra não se restringia unicamente à área em destaque no antigo rótulo. Curiosidades!

Tendo conhecido as colheitas 2005 e 2006, não tenho qualquer duvida em afirmar que este projecto entrou num novo ciclo este Passagem - Reserva 2007, está num patamar francamente superior às colheitas anteriores, arriscaria mesmo a dizer que pela mão de Jorge Moreira posicionou-se na direcção de outros grandes vinhos a que este enólogo nos tem vindo a habituar.


Notas de Prova:

Um vinho muito equilibrado com uma métrica quase irrepreensível, com muita finura e elegância. Um grande vinho, um grande passo em frente, esperemos que esta melhoria se sobreponha às circunstancias favoráveis do ano 2007, e que em próximas colheitas se mantenha este registo.

Aspecto rubi carregado quase opaco.

Aroma vegetal e fresco, com boas notas fruta preta e alguns registos florais, a sobresair ainda um leve especiado que  balanceia conjuntamente com uma madeira muito discreta.

Paladar fresco, equilibrado e elgante, confere as boas notas a fruta preta,  levemente vegetal e especiado, com uma barrica muito bem integrada, num conjunto levemente encorpado, com taninos ajuizados, terminando longo e persistente.







Nota Pessoal: 16,5/17 (Prova a 7 de Nov.10)
Preço: €16,0 (Ref.)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...