EnglishFrenchGermanSpainItalianDutchRussianJapaneseChinese Simplified

 

quarta-feira, 30 de Setembro de 2009

Quinta do Crasto (Vinhas Velhas) - Reserva 2007


Região : Douro
Castas : Vinhas Velhas
Produtor : Sociedade Agrícola da Quinta do Crasto
Tipo : Tinto
Ano : 2007
Álcool : 14%








Nota Introdutória:

Quinta do Crasto (Vinhas Velhas) – Reserva 2007, Aqui temos uma vez mais um belíssimo vinho que apresar de ainda jovem e algo agitado, apresenta o estilo e a classe característicos das colheitas anteriores, deverá ser religiosamente guardado e bebido daqui algum tempo (um, dois ou mais anos), para mim este vinho tem tudo para se tornar um excelente vinho do Douro.

Apesar dos esforços desenvovidos pela generalidade dos produtores, em apresentar cada vez mais cedo os vinhos da sua ultima colheita, até agora (Setembro de 2009) ainda não encontrei práticamente nenhum vinho do Douro de 2007 (e já foram cerca de uma dezena) que estivesse completamente pronto para ser bebido, poderei não estar a ser politicamente correcto, contudo uma coisa é certa, vinhos deste calibre exigem tempo.


Notas de Prova:

Aspecto: Cor rubi bastante concentrada intensa.

Aroma: A flores e frutos silvestres, com notas de cacau e alguma baunilha.

Paladar: Fruta silvestre, algum cacau tostado, corpo bem estruturado, complexo e bastante elegante e fim de boca persistente.

Alguma juventude e uma evidente capacidade para envelhecer com muita classe, promete.


Nota Pessoal: 17 (Prova a 12 de Set.09)
Preço: 25,00 (Ref.)

terça-feira, 29 de Setembro de 2009

Quinta de Saes – Reserva 2008


Região : Dão
Castas : Encruzado (80%)e Cercial(20%)
Produtor : Alvaro M. A. Figueiredo e Castro
Tipo : Branco
Ano : 2008
Álcool : 13%








Nota Introdutória:

Este Quinta de Saes – Reserva 2008, é um vinho branco bastante agradável, servido a uma temperatura de aproximadamente 6 ou 7º C., com seu leve toque adocicado (suave) e belíssima acidez, foi uma óptima companhia para o saborosíssimo queijo “São João” da Ilha do Pico. Penso que poderá ainda funcionar melhor na companhia de um queijo ligeiramente mais seco, aqui fica a sugestão.


Notas de Prova:

Aspecto: Límpido de cor amarelo limão.

Aroma: Floral com algumas notas tropicais.

Paladar: Fresco e acidez média, confirmação das notas a fruta, suave (ligeiramente adocicado), apresentando um final de boca médio, equilibrado e agradavelmente suave.




Nota Pessoal: 16 (Prova a 05 de Set.09)
Preço: €8,00 (Ref.)

segunda-feira, 28 de Setembro de 2009

Pombal do Vesuvio - 2006


Região : Douro
Castas : Touriga Franca, Touriga Nacional e Tinta Amarela
Produtor : Quinta do Vesuvio, Lda.
Tipo : Tinto
Ano : 2007
Álcool : 14%







Nota Introdutória:

O Pombal do Vesúvio é um vinho oriundo da Quinta do Vesúvio, no qual depositava alguma expectativa, contudo e não querendo de forma alguma cometer nenhuma injustiça, acho que necessita de aguardar mais algum tempo pelo menos mais um ano ou dois, o estágio de 10 meses em barricas de carvalho francês a que esteve sujeito, não me parece que tenha sido suficientes para que esteja pronto para ser bebido, no entanto também não me parece que seja vinho para longas guardas.

Quanto a mim, conclusões mais acertadas só para uma próxima prova, possivelmente daqui a um ano pois este tinto para já precisa de repouso.


Notas de Prova:

Aspecto: Cor bastante concentrada intensa.

Aroma: Frutos negros maduros e um leve toque a álcool.

Paladar: Fruta madura, levemente tostado, taninos médios, alguma madeira e com necessidade de integrar o álcool, final de boca levemente longo e persistente.

(Poderá vir a tornar-se um belo vinho contudo, há que esperar por ele).


Nota Pessoal: 16 (Prova a 28 de Ago.09)/(Prova a 19 de Set. 09)
Preço: €12,50 (Ref.)

quinta-feira, 3 de Setembro de 2009

Post Scriptum - 2006


Região: Douro
Castas: Touriaga Franca, Touriga Nacional e Tinta Roriz
Tipo: Tinto
Ano: 2006
Álcool: 13,5%






Nota Introdutória:

O Post Scriptum é um vinho que reúne em si a típicidade dos vinhos do douro.
Como o Chryseia, o Post Scriptum provém das melhores quintas durienses da família Symington, embora seja produzido num estilo mais amadurecido, pronto para beber mais cedo. O vinho foi estagiado em barricas de carvalho novo francês de 400 litros durante nove meses para amaciar os taninos.


Notas de Prova:

Aspecto: Cor intensa de laivos ruby.

Aroma: Compota fina e fruta bem madura.

Paladar: Frutado com algumas notas florais e um leve tostado, cheio e harmonioso, final médio e persistente.


Nota Pessoal: 16,5 (Prova a 26 de Ago.09)
Preço: €15 (Ref.)


quarta-feira, 2 de Setembro de 2009

Frei Gigante - 2007



Região : Açores
Castas : Arinto, Verdelho e Terrantez
Produtor :
Cooperativa Vitivinícola da Ilha do Pico
Tipo : Branco
Ano : 2007
Álcool : 13,5%








Nota Introdutória:

Este verão pude constatar aposta séria que tem vindo a ser efectuada, por parte de alguns produtores de vinhos Açorianos.

Ao nível dos vinhos brancos, podemos apresentar já alguns vinhos de boa qualidade, o Frei Gigante de 2007 é certamente um dos melhores produzidos nos Açores, podendo mesmo ombrear com alguns bons vinhos brancos do continente.

O Frei Gigante de 2007, foi efectivamente uma agradável surpresa, pronto a ser bebido e excelente para acompanhar um peixe grelhado ou um queijo de pasta mole num destes fins de tarde.


Notas de Prova:

Aspecto cor palha com laivos dourados. Aroma intenso onde predominam as notas a frutos tropicais e um leve tostado. Paladar marcado pela fruta tropicail com alguma acidez a dar-lhe um toque de frescura, bastante equilibrado, intenso e persistente na boca.










Nota Pessoal: 16,5 (Prova a 8 de Ago.09)
Preço: €4,50 (Ref.) (Açores)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...